"Our problems start when we don't die young" Silence 4

Mais um ano da minha vida que começa hoje…

Mais uma página virada da minha inconstante existência.

 

Durante este ano que passou muitas pessoas entraram na minha vida. Umas ficaram, outras partiram… outras que já existiam “obriguei-as” a desistir de mim… e algumas continuam ainda com boas lembranças minhas. Por vezes fui eu que desisti de algumas.

Desiludi-me com pessoas, com situações e com sentimentos, porque muitas vezes me iludi. E também desiludi alguém!

Magoei-me e magoei… Alguns rancores ficaram mas também houve perdão.

Encontrei a genuidade de algumas amizades e o egoísmo de outras.

Dei e recebi de volta, mas muito mais dei sem pedir… E muitas vezes nunca recebi…

Surpreendi-me com pessoas que me deram o seu carinho e julgo ter surpreendido algumas também!

Mudei… umas vezes para melhor, outras para pior… Andei por caminhos certos e errados, mas sempre cheguei a um destino, mesmo que não seja o escolhido.

 

Surpreendi-me comigo mesma muitas vezes, e desiludi-me a mim também. Fui má, maquiavélica, falsa, egoísta, e rancorosa. Mas também me reinventei no que de pior me aconteceu… Fui simpática, amiga, querida e sincera. E dei o melhor de mim sempre que podia, a quem merecia e não merecia.

Combati com as ferramentas que a vida me deu… procurei sempre a melhor escolha não só para mim, mas também para os outros!

Abandonei e não voltei… E alturas houve em que voltei logo a seguir…

Fui abandonada sem voltar, e voltei…

 

Vivi? Sim!

Sorri? Sempre!

Chorei? Muito!

Fui feliz? Por vezes!

Desisti? Nunca!!!

 

 

Arrependo-me todos os dias um bocadinho de quase tudo o que fiz até hoje. É um sentimento horrível, sabem? Sentir e pensar que a nossa vida podia ser totalmente diferente do que é se ao menos naquela altura, naquela situação e naquele momento precioso tivéssemos dito outra palavra, trocado outro olhar, se tivéssemos seguido outro caminho… mas…

Estou aqui… no meu melhor e no meu pior… com todas as consequências dos meus actos sobre mim, mas estou aqui… com todas as responsabilidades boas ou más da minha experiência.

Todos os dias cresço mais um pouquinho… todos os dias tenho algo a aprender!

 

Todos os dias vou construindo o meu “eu” diferente do que era e do que vou ser um dia!

Mas sou EU… E sou EU que faço o meu “EU” crescer agora!

 

A todos os que magoei e para os quais fui mesmo má e maldosa peço desculpa, do fundo do coração!! Só eu e ele sabemos o quanto todos os dias sofro por isso… por ter perdido pessoas tão importantes na minha vida pelo que fiz! Por ter perdido a oportunidade de ter amigos verdadeiros e honestos!

A todos os que me magoaram e se aproveitaram das minhas fraquezas, eu desculpo! Não aceito nem percebo, nem dou razão ao que fizeram, mas desculpo!

 

Mas principalmente, aos meus companheiros da viagem que estes últimos anos da minha vida foram e que eu não permiti que me acompanhassem mais porque simplesmente não podia… só tenho a dizer que nunca mais fui a mesma desde que vos deixei! A minha inocência e pureza ficaram convosco… mas o amor que tenho e tive sempre por vocês continuam sempre comigo.

 

A todas as pessoas novas que conheci e fui conhecendo, obrigado por todo o carinho que me dão, por toda a companhia que me fazem e por me fazerem sentir tão querida e especial quando estou convosco! Por vocês continuo sempre a ser melhor e a acreditar…

 

A todos os colegas de trabalho que tenho, adoro-vos!!! Durante este último ano fizeram sempre com que me sentisse em casa, mesmo quando chegava tarde ou fazia algo menos bem. Sinto-me como se fizesse parte “disto” desde sempre e querida e acarinhada por todos vós. Sinto-me parte do grupo :)

 

A toda a minha família agradeço tudo o que me deram e ensinaram até agora! Já senti revolta, indignação, tristeza e uma mágoa profunda de fazer parte da minha família. Muitas vezes penso como seria ter nascido e crescido ao abrigo de uma família dita “normal”. Mas durante este último ano apercebi-me que não existe essa “coisa” chamada de “família normal”. E só por ter sido gerada no seio da minha sou a pessoa que sou hoje, com as minhas virtudes e defeitos, as minhas conquistas e angústias, com a minha história… Por isso, acima de todos os sentimentos que tenha, obrigado pelo sorriso que sempre tiveram e pela hipótese que me deram de crescer!

 

À minha mãe… obrigado por eu ter nascido. É a única frase de agradecimento que te consigo deixar nesta fase das nossas vidas.

 

Ao meu pai… obrigado por me teres ligado hoje, e me teres dado forças para continuar a lutar e viver sempre com um sorriso na cara. E desculpa… por tudo!

 

A Ti… obrigado por tudo o que aprendi contigo. Obrigado por tudo o que me deste de maravilhoso e de mau também. Por tudo o que me proporcionaste ter e perder. Por todos os momentos de felicidade e tristeza que passei contigo e por ti. Obrigado, porque no fundo só assim cresci!

 

A TI… contigo ainda estou a aprender mais cada dia que passa, e a perceber que realmente as rosas têm mesmo espinhos e que as aparências mais do que iludirem, enganam mesmo! Com a tua presença em mim vou-me conhecendo cada vez melhor e reflectindo sobre o amor, a felicidade, a bondade, a dor, a desilusão, a traição. Contigo continuo constantemente a afinar os meus sentimentos e pensamentos sobre o que é isto de “amar”, sobre o que é a

 

posse ou o ciúme, sobre o que significa verdade, confiança e honestidade. A TI… agradeço tudo o que tenho vivido desde que te conheço, agradeço-te cada sorriso e cada lágrima que dei e derramei por ti, cada parvoíce que fiz para me enaltecer aos teus olhos, cada desilusão que me deste até agora, e tudo o que já conheci contigo. Obrigado por me teres envolvido lentamente mas tão carinhosamente em toda a tua vida, e por já ter conhecido tanta gente genuína e simples que faz parte da tua vida! Contigo posso continuar a melhorar-me… e a melhorar-te. Porque TE AMO.

 

A mim… Eu que não sou linda nem elegante, rica ou licenciada, resta-me pedir-me desculpas por tudo até hoje. Por todas as oportunidades desperdiçadas e todas as cabeçadas que dei até hoje. E prometer a mim mesma que vou melhorar, lutar e vencer, senão a guerra pelo menos pequenas batalhas!

publicado por lilith às 17:59 | link do post | o que te faz sentir? | partilhar