Vidros Partidos

 

Não são espelhos onde vejo o meu reflexo.

São vidros rachados pela raiva, pelo ódio do amor que existiu outrora. São vidros partidos pelas memórias do tempo, que reflectem cada pedacinho da lua negra que já não brilha.

Não é o meu reflexo que vejo, é o reflexo de outro alguém, outro alguém que já não sou eu. É uma sombra marcada pelo gelo dos tempos esquecidos.
Sou tudo e sou nada, neste trilho acidentado por onde me desloco, sem saber o meu destino e sem apagar as mágoas da memória.
O Universo é o meu fim. O teu coração o meu lugar secreto, onde acalmo a ferida da minha alma.
Apenas nesse coração puro consigo ver o meu reflexo, translúcido e brilhante, sem uma réstia de penumbra ou de escuridão.
Mas ele não está perto, está distante. E eu escondo-me até ele aparecer um dia.
O dia em que verei o meu eu à luz do teu olhar. O dia em que brilharei ofuscantemente e em que serei estrela, lua e mar
sinto-me: escondida de ti
publicado por lilith às 11:28 | link do post | o que te faz sentir? | partilhar